X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!

Bruno Dauster admite erro na compra de respiradores não entregues, mas nega fraude

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
Bruno Dauster admite erro na compra de respiradores não entregues, mas nega fraude
Paulo de Tarso é um empresário sócio da Biogeoenergy, empresa que fabricaria os equipamentos. Ele declarou que gastou com insumos os cerca de R$ 24 milhões que recebeu de Cristiana Prestes, a dona da Hempcare, que intermediou o processo. Paulo de Tarso afirmou que não devolverá o valor investido.

Oex-secretário da Casa Civil do governo da Bahia, Bruno Dauster, comentou sobre a acusação de ter participado de um esquema fraudulento que culminou na compra de R$ 48 milhões de reais em respiradores que nunca foram entregues. 

Bauster disse que vai procesar "Paulo de Tarso por ele ter afirmado através da TV Bahia que eu recebi dinheiro ilícito. Eu nunca recebi dinheiro ilícito nem da Hempcare em nenhuma das transações comerciais ou projetos especiais ou não especiais de que eu tenha participado. Como é do seu conhecimento, eu coordenei, antes da pandemia, todos os projetos na Bahia. Eu sempre tive minha vida pautada na honestidade e transparência, quando esse senhor faz essa afirmativa sem nenhuma base para fazê-lo", disse em entrevista à Rede Bahia.

Paulo de Tarso é um empresário sócio da Biogeoenergy, empresa que fabricaria os equipamentos. Ele declarou que gastou com insumos os cerca de R$ 24 milhões que recebeu de Cristiana Prestes, a dona da Hempcare, que intermediou o processo. Paulo de Tarso afirmou que não devolverá o valor investido. 

Ainda à Rede Bahia, o ex-secretário explicou por que pediu demissão: "primeiro porque eu não precisava de ter foro privilegiado, porque não cometi nenhum ato ilícito ou nada que pudesse justificar que eu tivesse medo de alguma acaon a Justiça. Se tivesse, eu não tinha pedindo nunca para perder o foro privilegiado, que é especia. Em segundo lugar, não queria que fosse politizada essa questão. Eu pedi antes que meu nome fosse citado por qualquer outra pessoa, porque pedi no momento da abertura do processo".

Bauster também afirmou que não conhece Fernando Galante e Cléber Isaac, apontados como intermediário na fraude, que teriam recebido R$ 12 milhões: "Não conheco nenhum. Nunca tinha ouvido o nome de Fernando Galante até o dia que apareceu essa notícia de que ele teria intermediado, e que eu posso garantir que ele não participou para nada, pelo menos que fosse do meu conhecimento. O mesmo vale para Cléber, a quem não conheço, nunca falei. Não os conheço e não sei que intermediação eles fizeram porque nunca me contactaram, e quem estava fazendo essa negociação foi eu. Eu acho isso muito estranho".

Por fim, admite que pode ter cometido um erro, mas não uma fraude: "para mim é um valor altíssimo, independente do contrato que nós teríamos. Eu imaginava que contratualmete havia sido prevista uma cláusula de garantia de seguro, mas definitivdamente eu não verifiquei no contrato e não participei da assinatura. Mas não tô com isso tentando transmitir responsabilidade ou culpa pra ninguém"

so diz que nao errou quem mente. Eu posso dizer que acredito que posso ter cometido erros, e seguramente os cometi, porque o dinheiro ainda não foi devolvido. Agora, o fato de eu cometer um erro numa situação não deveria ser motivo para ilações caluniosas. Ao contrário, nós deveríamos analisar o conjunto do problema para chegar a alguma conclusão. Acredito que ele [o problema] vai ser resolvido e poderia até te dizer que durante o processo de cobrança que nós fizemos, o tempo todo foi dito que iriam devolver. Só entramos na Justiça e acionamos a política porque não houve a devolução", finalizou.

 

Com informações do site BNEWS

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter