X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Damares Alves vira aposta do governo em reaproximação com Igreja Católica

Damares Alves vira aposta do governo em reaproximação com Igreja Católica

Com aval de Bolsonaro, ministra abre canal de comunicação com líderes católicos e com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

A ministra da  Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, assumiu um papel de interlocutora do governo com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). E com aval do presidente Jair Bolsonaro. A ministra é a primeira integrante da equipe do governo  a ter reunião de trabalho com a entidade católica e tem objetivo de  desfazer conflitos entre o Presidente e religiosos.

“Ai da política se não fosse a Igreja”, disse a ministra ao sair do encontro com a cúpula da CNBB, na quarta passada. Pastora da Igreja Batista da Lagoinha, uma denominação protestante, a ministra reconhece a  importância da igreja no País, mesmo com a ascensão de designações evangélicas, aliadas preferenciais de Bolsonaro.

A briga de Bolsonaro com a Igreja Católica vem desde a campanha eleitoral de 2018. O então candidato apareceu em um vídeo dizendo que a CNBB era a "parte podre da Igreja Católica".

Damares se colocou como interlocutora e a entidade católica passou a ouvir explicações sobre projetos do governo. A ministra acenou com parcerias em ações sociais para crianças, jovens e idosos e afirmou aos bispos que há católicos entre seus principais assessores. Saiu da sede da CNBB em Brasília com o texto da Campanha da Fraternidade e um convite para participar do lançamento, na próxima quarta-feira (26). No entanto ela não poderá comparecer porque tem um compromisso em na ONU em Genebra, na Suíça.

Após a redemocratização, bispos tinham canal direto no Palácio do Planalto e costumavam ser recebidos por presidentes. No governo Dilma Rousseff, a entidade tinha assento no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. O diálogo da ministra com a CNBB ocorreu uma semana depois de o papa Francisco receber e abençoar o ex-presidente Lula, mas a conversa não tratou do Vaticano. 

 

Com informações do site Folha Vitória

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Artigos Relacionados