X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Eduardo Bolsonaro brigar com a China é tudo o que o Brasil precisava na crise da Covid-19

Eduardo Bolsonaro brigar com a China é tudo o que o Brasil precisava na crise da Covid-19

Tudo começou com um compartilhamento inocente – só que não – no Twitter.

Tudo o que o Brasil precisava no momento em que enfrenta uma pandemia com o novo coronavírus é uma crise diplomática com seu maior parceiro comercial, não é mesmo? Não falta mais. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) fez o favor de iniciar uma briga extremamente desnecessária com a China por uma teoria de conspiração que nem as mais avançadas agências de inteligência do mundo conseguiram provar: a de que os chineses propositalmente criaram a Covid-19.

Tudo começou com um compartilhamento inocente – só que não – no Twitter. O parlamentar sugeriu que os chineses seriam os responsáveis pelo caos mundial por causa da falta de liberdade no país asiático. Em resumo, na briga fanática contra o comunismo – sendo que China se comporta como mais capitalista do que muitos países do mundo –, Eduardo aproveitou a oportunidade para dizer que a ditadura “preferiu esconder algo grave a expor tendo desgaste, mas que salvaria inúmeras vidas”. Poderia até ser verdade, mas não cabe a um deputado federal levantar essa hipótese nas redes sociais. Principalmente ao filho do presidente da República.

A reação não demorou. A Embaixada da China no Brasil exigiu que Eduardo pedisse desculpas ao povo chinês. Com direito ao exagero do “vírus mental”, mas com muito mais razão do que o ataque gratuito do parlamentar. Em resumo, a crise diplomática foi criada, por um motivo besta e sem qualquer respaldo em alguma realidade concreta. Apenas suposições. Verborragia genética, talvez.

Achou que não poderia piorar? Pois o chanceler Ernesto Araújo publicou uma nota em que exige a retratação do embaixador chinês, por ter ofendido o presidente Jair Bolsonaro. A nota vai de encontro a toda a tradição do Itamaraty, mas a essa altura do campeonato, não vamos exigir tanto, não é mesmo?

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, até tentou minimizar o episódio. Para ele, se Eduardo tivesse um sobrenome qualquer não haveria nenhuma celeuma com a teoria conspiratória. Apesar de concordar que ele está certo, é fato que o sobrenome Bolsonaro amplifica e muito a declaração do parlamentar. Por isso mesmo, uma quarentena verbal talvez seja uma recomendação importante em tempos de distanciamento social. Pena que não deve acontecer...

 

Com informações do site Bahia Notícias

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Artigos Relacionados