X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Óleo retirado das praias vira combustível para indústrias de cimento

Óleo retirado das praias vira combustível para indústrias de cimento

Aproximadamente 4 toneladas do óleo são processadas por hora.

Os resíduos de petróleo recolhidos das praias do litoral pernambucano estão sendo levados para o Centro de Tratamento de Resíduos em Pernambuco (CTR-PE), o Ecoparque Pernambuco, em Igarassu, na Região Metropolitana do Recife (RMR).

O espaço recebeu até essa segunda-feira (21) cerca de 351 toneladas. Aproximadamente 4 toneladas do óleo são processadas por hora. O material é transportado em caminhões da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), que já realizaram 44 viagens.

De acordo com o diretor técnico do Ecoparque, Laércio Braga Chaves, o material é misturado com outros resíduos como madeira, embalagens plásticas e papelão. "Esse óleo é misturado com outros materiais e vai para um processamento. É peneirado, triturado e transformado em uma mistura energética", explicou à reportagem do Portal FolhaPE.

O material processado substitui o coque, um combustível derivado do petróleo usado em fornos de indústrias de cimento. Ainda de acordo com Láercio, esse combustível obtido após o processamento é vendido às indústrias.

Balanço do Governo de Pernambuco divulgado nessa segunda-feira (21) informa que foram recolhidas 257 toneladas de óleo desde a quinta-feira (17), quando o material voltou a aparecer no litoral do Estado, na praia dos Carneiros, em Tamandaré, no Litoral Sul.

Bahia
Na Bahia, outro estado atingido pelo óleo, um projeto do Instituto de Química da Universidade Federal da Bahia (Ufba) está transformando o óleo encontrado nas praias em carvão granulado. Esse material vem sendo testado pelos pesquisadores, que investigam se esse carvão tem poder de queima. O material poderá ser utilizado em motores de fábricas e em mistura para asfalto e blocos de construção.

 

Com informações do site folhape.com.br

 

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Artigos Relacionados