X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Por que cada vez mais mulheres têm retirado o silicone dos seios

Por que cada vez mais mulheres têm retirado o silicone dos seios

É o caso da jornalista Cindy Candis, de 29 anos, que colocou silicone aos 19 e, agora, se prepara para realizar o explante.

Ter seios grandes foi por tempos o sonho de muitas mulheres, tanto que, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), o implante de silicone é o pedido mais frequente nos consultórios do país. Mas parece que, nos últimos anos, essa realidade vem mudando, e uma nova tendência surgindo: a procura por retirar as próteses mamárias.

Além de o número de cirurgias ter diminuido bastante desde 2014 (3,7%, de acordo com levantamento da SBCP), muitas pacientes que realizaram a intervenção têm optado por retornar aos seios naturais. É o caso da jornalista Cindy Candis, de 29 anos, que colocou silicone aos 19 e, agora, se prepara para realizar o explante.

"Eu tive (e tenho) diversos motivos para querer tirar. O primeiro deles é que eu perdi 75% da sensibilidade quando coloquei a prótese. Na época, eu optei pela parte estética e não me preocupei com meus sentidos", diz. "Outro motivo é que, de três anos para cá, comecei a entender mais sobre aceitação, amor próprio e liberdade".

As palavras da jornalista sobre autoaceitação esbarram em uma suposta mudança de padrões de beleza, o que, segundo o cirurgião plástico Dr. Luiz Haroldo Pereira, é uma realidade sentida entre os profissionais do meio.

"Cada vez mais o 'natural' tem sido o mais buscado. No caso das mulheres, percebemos que elas se cansaram de seios muito grandes. Muitas colocaram implante muito jovens e agora se sentem incomodadas e querem reduzir. É uma tendência mundial ter mamas menores".

"Eu tive (e tenho) diversos motivos para querer tirar. O primeiro deles é que eu perdi 75% da sensibilidade quando coloquei a prótese. Na época, eu optei pela parte estética e não me preocupei com meus sentidos", diz. "Outro motivo é que, de três anos para cá, comecei a entender mais sobre aceitação, amor próprio e liberdade".

As palavras da jornalista sobre autoaceitação esbarram em uma suposta mudança de padrões de beleza, o que, segundo o cirurgião plástico Dr. Luiz Haroldo Pereira, é uma realidade sentida entre os profissionais do meio.

"Cada vez mais o 'natural' tem sido o mais buscado. No caso das mulheres, percebemos que elas se cansaram de seios muito grandes. Muitas colocaram implante muito jovens e agora se sentem incomodadas e querem reduzir. É uma tendência mundial ter mamas menores".

"Um corpo que não era meu"
Assim como Cindy, a designer Camila Dias também resolveu retirar o silicone depois de um processo de renovação de autoestima. "Percebi que tinha me submetido àquilo [cirurgia de aumento de mamas] na busca de ter um corpo que não era meu. Quando entendi quem era a Camila e que ela era mais do que apenas peitos, minha relação com meu corpo mudou".

A jovem de 23 anos, que foi para a mesa de cirurgia aos 21, explica que, além do autoconhecimento, alguns fatores externos também a influenciaram a reverter a plástica. "Comecei a ver mulheres lindas com seios pequenos, que antes seriam motivo de 'chacota', se amando e se aceitando. Acho que, hoje, os padrões estéticos estão bem diferentes do que eram há alguns anos".

Processo cirúrgico
O Dr. Luiz Haroldo explica que a cirurgia de remoção do silicone é bem parecida com a primária (para colocar a prótese), porém, com alguns cuidados diferentes. "Com o objetivo de conferir maior simetria aos seios, remover a flacidez e o excesso de pele, a mastopexia realiza um lifting na região das mamas, levantando e removendo a pele que foi esticada com a prótese", diz. "Há um reposicionamento da aréola e correção da flacidez, deixando-os com o formato original, de maneira simétrica. É bom lembrar que haverá excesso de pele e, portanto, teremos cicatrizes maiores".

Segundo o médico, a recuperação também é similar. "Vai de duas a três semanas e é necessário seguir algumas recomendações, como evitar fazer movimentos bruscos com os braços, dormir de barriga para cima, não se expor ao sol, higienizar os curativos... enfim, seguir as orientações médicas".

Custo da operação
"O preço da cirurgia vai variar de acordo com hospital e o cirurgião, mas será bem parecido com o da cirurgia primária. Os valores podem ir de R$ 20 a 30 mil", diz o cirurgião, que ainda alerta para a importância de buscar um cirurgião plástico de confiança e que seja credenciado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

 

Com informações do site R7

 

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Artigos Relacionados